Onças pardas são mortas com requintes de crueldade por caçadores que filmam tudo

Homem que gravou os vídeos é ex-vereador do município de Agrolândia, em Santa Catarina, e ocupa um cargo na prefeitura do município, mesmo após ter se envolvido, como vereador, em escândalos de desvios de dinheiro público

quinta-feira, 16 de agosto 2018

25 Comentários
Download PDF
Em respeito ao animal, optamos por apresentá-lo em destaque, em uma imagem do fotógrafo de natureza Zig Koch, como ele deveria estar: na natureza, livre e respeitado

Duas onças pardas (Puma concolor) foram brutalmente assassinadas por caçadores, em Santa Catarina. Pelas imagens que o Observatório de Justiça e Conservação teve acesso, o crime mais recente – a morte de um filhote que seria filho de uma onça fêmea assassinada antes pelas mesmas pessoas – pode ter sido cometido no último fim de semana e em alguma região de Rio Novo e Serra dos Alves, no município de Agrolândia.

A espécie, chamada também de “Suçuarana” e conhecida, na região Sul do Brasil, como “Leão Baio”, está ameaçada de extinção e ocupa o topo da cadeia alimentar, por isso, tem papel essencial no equilíbrio de todo o ecossistema. Sua principal função é controlar a superpopulação de outros animais. No vídeo, o animal, uma onça jovem,  é perseguido e morto a pauladas, tiros e com o auxílio de cachorros, enquanto os caçadores que participam da ação comemoram entusiasmados o feito. A Polícia Civil já abriu um inquérito para apurar o crime. Por se tratar de um animal considerado em extinção pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), o Ministério Público Federal assumiu o caso. A Polícia Federal também passa a se envolver na situação. O vídeo pode ser visto aqui.

O homem que grava tudo e aparece em um dos vídeos segurando a cabeça do animal já morto é Lauri Sutil Narciso, ex-vereador do município catarinense de Agrolândia e atualmente servidor público da prefeitura. Ele é um dos vereadores envolvidos no escândalo dos servidores públicos que foram passear em Foz do Iguaçu e fazer compras no Paraguai, em janeiro de 2006, usando dinheiro público. O município gastou, na época, o valor total de R$ 11.741,44 com o desvio. Todos, incluindo Lauri, foram na época condenados pela Justiça e obrigados a ressarcir o município. Eles ficaram impedidos de exercer cargos políticos pelo período de oito anos. Hoje, Lauri ocupa outro cargo público, agora, na Secretaria de Obras do município. “Ó rapaziada, o rapaizinho se bobeou comigo, deu assim, ó. É meu recado proceis: não se bobeiem comigo”, diz ele no vídeo. Os nomes dos outros envolvidos no crime ainda não são de conhecimento público.

Agentes do Ibama, em conjunto com a Polícia Militar do Estado, já identificaram os caçadores e os autuaram, cada um, em R$ 743,5 mil por maus-tratos pela morte das duas onças. Segundo o Instituto, o grupo já havia assassinato outro animal: uma fêmea adulta que poderia ser a mãe do filhote morto dos vídeos.

A onça parda está ameaçada de extinção no País. Estima-se que, atualmente, apenas mil onças pardas ainda vivam em toda a Mata Atlântica. A redução violenta das áreas naturais provocou a extinção da espécie em diversas regiões do Brasil. E a falta de alimento nos locais remanescentes a ameaça ainda mais. Originalmente, o puma ocorria em quase todo o território brasileiro, bem como nas três Américas, desde o Chile e norte da Argentina até o norte do Canadá.

Em entrevista ao jornal Estadão, Leonardo Tomaz, chefe de fiscalização do Ibama em Santa Catarina, disse que os autores cometeram quatro infrações na lei de crimes ambientais. Além de matarem um animal ameaçado de extinção, os caçadores se valeram indevidamente de uma autorização que tinham para o controle de javalis para caçar os animais silvestres.

“O abate do animal exótico, que é uma espécie invasora considerada praga no País, é permitida desde que com autorização do órgão ambiental. Com esse registro, a pessoa pode comprar armas de fogo. Segundo Tomaz, os criminosos usaram essa arma para caçar as onças”, diz a reportagem.

Estima-se que, atualmente, apenas mil onças pardas ainda vivam em toda a Mata Atlântica_Foto de Zig Koch

Projeto de lei quer permitir maior retrocesso da história de proteção à fauna brasileira

Casos como esse se tornariam muito mais habituais, caso o projeto de lei 6268/2016, de autoria do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), que regulamenta a caça de animais silvestres no Brasil, inclusive, dentro de unidades de conservação, for aprovado. A proposta prevê a viabilização do maior retrocesso da história de proteção à fauna brasileira, desde que a caça ficou proibida no país, em 1967.

Essa ideia, que tramita hoje na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados, tendo como relator o deputado Nilto Tatto (PT- SP), prevê alterações na Política Nacional de Fauna para permitir o abate de animais silvestres e ameaçados de extinção em todo o território nacional. Ela propõe, ainda, a criação e manutenção de animais silvestres em criadouros comerciais e a criação de campos de caça esportiva e comercial no país – algo que, comprovadamente, potencializou a extinção de espécies em nações onde já foi implementado. Por fim, legaliza o comércio de animais silvestres e exóticos, autoriza a “erradicação de espécies exóticas consideradas nocivas à saúde pública, às atividades agropecuárias e correlatas e à integridade e diversidade biológica dos ecossistemas”, permite que animais recebidos em centros de triagem sejam destinados a cativeiros e campos de caça, que zoológicos possam vender animais silvestres a criadouros e que animais silvestres provenientes de resgates em áreas de empreendimentos sujeitos a licenciamento ambiental sejam abatidos.

 

Cartilha detalha abusos da proposta

Uma cartilha feita pelo movimento “Todos Contra a Caça” explica, no detalhe, as razões para o projeto de lei ser tão abusivo, violento e incoerente. O documento lembra, ainda, o sofrimento que a prática da caça causa a outros animais envolvidos nela, como os cachorros.  “A caça com cães é especialmente cruel tanto para animais silvestres quanto para os cães. A atividade tem o sofrimento e os maus tratos a animais intrinsecamente em sua prática, o que é expressamente vedado pelo Artigo 32º da Lei 9.605/98”, diz um trecho da cartilha, que pode ser acessada aqui.

 

Coletivo “Todos Contra a Caça” lutam pela rejeição do projeto de lei

Para repudiar a proposta e pressionar o poder público a não aprovar de modo algum o projeto de lei 6268/2016, é possível acessar o site www.todoscontraacaça.com.br. Artistas e formadores de opinião, como os atores Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank, a apresentadora Xuxa Meneghel, o jornalista André Trigueiro e o cantor Caetano Veloso e o filósofo Mário Sérgio Cortella, por exemplo, já estão apoiando o movimento. No site é possível assinar um abaixo-assinado.

O Observatório de Justiça e Conservação também abriu um abaixo-assinado na internet. Um dia depois, ele já soma mais de duas mil assinaturas. A iniciativa pede a responsabilização criminal de todos os envolvidos nos crimes e a exoneração (demissão) de Lauri Sutil Narciso – o homem que aparece no vídeo – do cargo público que ocupa atualmente na Secretaria de Obras e Infraestrutura de Agrolândia. Ao assinar o abaixo-assinado, as solicitações são enviadas à prefeitura do município e ao Ministério Público Federal.

 

Comentários

  1. Não há o menor cabimento em autorizar a caça com uma fauna cada vez mais rara, com tanti desmatamento. É contra nossos acordos internacionais.

  2. Isso é um absurdo, caça á animais.Na minha opinião um indivíduo que vai para o mato,armado e açoitando cães para matar animais da nossa fauna, é uma besta quadrada,um psicopata social e um lixo humano💩.Matem ele ,o caçador!!!

  3. Como ke pode um ser dito “humano” em pleno 2018 se dar ao luxo de empunhar uma arma para tirar a vida de um animal inocente e indefeso e pra piorar um politico, mas nao eh atoa ke vc esta envolvido em crimes de corrupçao seu assassino sem vergonha na cara, vc nao passa de lixo humano, covarde e imbecil e pra piorar mais ainda temos tbem ke ver outro palhaço como esse Valdir Colato propor o PL da caça, vcs nao passam de vagabundos e LADROES DO DINHEIRO DO POVO E LUGAR DE BANDIDOS COMO VCS EH NA CADEIA!!!………….”VAGABUNDOS, ORDINARIOS, ESCORIAS DA SOCIEDADE”

  4. Muita vergonha de certos seres humanos….. eles são amparados por mal carátomo e seus pares ….. contam com a impunidade. Mas a justiça divina é certa….. por isto acredito piamente que quando se presencia um ser na penumbra, sofrendo moléstias terríveis, não se tenha pena ou dó (como queira) ….. o acerto de contas está sendo feito.

  5. Absurdo matar um ser lindo e inocente que está em seu habitat. O ser humano é o câncer do mundo! Tudo que rela, destrói! SALVEM os animais!

  6. Estão fazendo muito pior com seres humanos…

    https://sites.google.com/site/controlemental/home

    Sr. Vereador , por favor! atente pra isso… Está acontecendo na sua cidade.

    O V2K e ataques com armas psicotronicas, rádiofrequência e micro-ondas dirigidas estão virando triste realidade no Brasil e quem está descobrindo ativamente essas redes de vigilância secretas e seu uso dirigido de armas de energia em cidadãos, deve ajudar para que as pessoas do Brasil e do mundo possam proteger seus direitos e exigir a responsabilidade das autoridades de aplicação de lei e projetos e serviços que coibem essa espionagem criminosa e dolosa ao cérebro humano. Os nossos representantes eleitos não podem esconder e cobrir os atos criminosos contra os cidadãos.

    Entre em contato :
    associacao.aleivimapoia@gmail.com

    WhatsApp: 51 994724987 Anderson

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *