O drama do porto tem rosto

Indígenas estão ameaçados pela falta de atenção pública e pela possibilidade de instalação do porto privado em Pontal do Paraná, que afetaria e expulsaria essas pessoas de onde vivem há séculos

quarta-feira, 26 de fevereiro 2020

Deixe um comentário
Download PDF

Durante a oferta de atendimento médico e odontológico às comunidades indígenas e tradicionais do litoral do Paraná, o fotógrafo Bruno Santos registrou rostos dos indígenas que estão ameaçados pela falta de atenção pública e pela possibilidade de instalação do porto privado em Pontal do Paraná, que afetaria e expulsaria essas pessoas de onde vivem há séculos.

Os 4,3 mil hectares onde se pretende construir o complexo industrial portuário e o conjunto de obras que o atenderia até hoje não foram demarcados pela empresa Balneária Pontal do Sul S/A.

Ela recebeu as terras em 1949 do Governo do Paraná, mas não fez o que foi exigido pouco tempo depois pela Assembleia Legislativa do Estado: a demarcação e o reconhecimento dos ocupantes com direito à posse, como os indígenas e integrantes da comunidade tradicional de Maciel. Os retratos a seguir nos lembram de que o drama do porto tem rosto.

As fotos foram produzidas pelo fotógrafo Bruno Santos.

Para ter acesso a mais conteúdos da edição 1 do Jornal Justiça e Conservação, clique aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *