Armas, Germes e Aço

segunda-feira, 01 de julho 2019

O ciclone que atingiu mês passado o centro de Moçambique, no sudeste da África, provocou pelo menos 700 mortes e deixou milhares de pessoas desabrigadas. O governo de Moçambique também confirmou um surto de cólera depois da tragédia.

O fenômeno, ocasionado pela intensificação dos efeitos das mudanças climáticas, nos tocou profundamente por vários motivos. Um deles foi por notar que o episódio não gerou tanta repercussão na mídia e opinião pública.

Foi quando Eduardo Ruchinhaka, responsável pelas produções audiovisuais do OJC, lembrou do livro “Armas, Germes e Aço”, de Jared Diamond, biogeógrafo da Universidade da Califórnia, em Los Angeles. Olha o que ele diz: 👉 “Jared Diamond parte de uma pergunta simples, mas fundamental para entender por que algumas vidas parecem valer menos que outras. ‘Por que alguns povos têm tanto e outros tão pouco?’, questiona. Ele nos leva à pré-história, aonde encontra respostas para questões sociais discutindo, basicamente, a geografia e a biologia que cercavam os primeiros seres humanos que assumiram papeis de elite. De vital importância nesse estudo, é a maneira como o homem se relaciona, aproveita, e violenta a natureza.

Essa é uma leitura que deixa claro que o sucesso econômico dos países tem muito mais a ver com questões ambientais do que pensamos. Não é uma questão de ideologia, ou até mesmo “vontade de trabalhar”. É, antes de qualquer coisa, questão de estar no local certo, com os recursos naturais certos. A partir disso, se formam elites econômicas que ganham lugares de protagonismo nas narrativas midiáticas. Assim, conquistam ter o poder de fazer com que as tragédias que acometem seus territórios sejam sentidas por mais pessoas, fato que, por vezes, evita que novas catástrofes aconteçam. Uma leitura, de fato, valiosa”, conta Eduardo. 📚 🤔